inicio novedades biografía contacto fragmentos publicaciones enlaces obra artística inglés





Castellano

Deutsch

English

Français

Italiano

Nederlands

Português

Sobre Rubén Figaredo



Rubén Figaredo nasceu em Gijón, Asturias, em 1963. Estudou música e contrabaixo no conservatório de Oviedo e tocou com diferentes grupos musicais nos anos 80 e 90. Licenciou-se em Historia da Arte na Universidade de Oviedo e posteriormente doutorou-se em História e Ciências da Música, em novembro de 2007.  

Publica seu primeiro livro em 1987, Hiedra, historia y piedra: torres, castillos y palacios rurales de Asturias, no qual evidencia-se como historiador e fotógrafo. Em 2002, sua segunda produção sobre o patrimonio histórico e cultural asturiano, Marinos, puertos y barcos en la antigua Asturias (Editores Trea y Librería Cervantes, Oviedo), escrita em colaboração com Hernán del Frade de Blas, foi galardoada com o Premio Alfredo Quirós Fernández - 2002. Nesse mesmo ano, publica Por amor al arte. Fragmentos de una enseñanza desconocida (Ed. Facultad de Geografía e Historia de la Universidad de Oviedo).

Há alguns anos Figaredo vem colaborando nas seções 'Viajar', do El Mundo e do Periódico del Motor. Registra ali suas itinerâncias pelos desertos do real ou pelas ilhas dos bem-aventurados. Sua paixão pela difusão do patrimonio  reflete-se nestes escritos destinados a seguir os rastros dos Templários de Cerdeña até o Finis Terrae, ao relatar suas vivências por cidades eternas, nas quais cohabitam vivos e mortos, nas misteriosas terras de Stonehenge e Escocia. Além disso, escreve vários artigos e realiza conferências sobre o patrimonio histórico asturiano.

Rubén Figaredo escreve regularmente para ÁBACO revista de cultura y ciencias sociales. Sob sua direção foi publicado o número 58, em fevereiro de 2009, intitulado El precio de la utopía en tiempos de incertidumbre e o número 59, publicado em julho do mesmo ano,  chamado La música del futuro, el futuro de la música. Ademais, é autor de vários roteiros para a televisão autônoma asturiana, como o documentário La puerta del cielo. Arte prerrománico asturiano, de 2005.

Em 2007,  doutora-se em historia e ciências da música com sua tese sobre o neodadaismo na España do Grupo ZAJ e a obra do artista Juan Hidalgo intitulada Juan Hidalgo. El sonido del gesto

Em 2008 publica Ángulos Muertos - NUEVAS ENTREGAS PARA VIAJEROS, um conjunto formado por 41 ensaios curtos que, entoando uma voz lírica y sensível, constituem «uma declaração de amor à viagem daqueles que tardam nos lugares, uma manifestação aguerrida contra o turismo e um conjuro contra a falta de comunicação». O título do livro faz referência  «àquelas coisas que passam desapercebidas no retrovisor da memória». «Falo de viajantes, de viajantes contrapostos a turistas, porque os viajantes são uma espécie em extinção». Uma dessas “entregas”, Suecia y los restos de un naufragio, foi traduzida para o holandês e publicada, em junho de 2008, na revista literária de Rotterdam, Tortuca. Em março de 2009, escreve em companhia de Eduardo Navarro, o texto do catálogo da exposição “ZAJ en la colección archivo Conz” apresentada no Círculo de Bellas Artes de Madrid, de 5 de fevereiro a 22 de março de 2009.